CastanheiraA castanheira americana, conhecida como a madeira vermelha do oeste, chegou a ocupar extensas áreas florestais que iam desde o golfo do México até o Canadá.  Porém, a partir de 1902, uma doença de origem chinesa dizimou quase todas as 4 bilhões de árvores em 50 anos. Após décadas de pesquisas, dois grupos parecem ter chegado a um mesmo e promissor resultado: desenvolver uma castanheira-americana resistente ao fungo que quase levou a árvore à extinção.

De acordo com o presidente do Instituto de Biociências Floreais (IFB), Adam Constanza, há muito tempo diferentes técnicas de melhoramento genético tentam desenvolver uma planta resistente ao fungo que provoca a doença. “Recentemente, uma abordagem biotecnológica cortou caminho para resolver o problema: foi identificado o gene responsável pela imunidade natural da variedade chinesa da castanheira e esse gene foi transferido para a árvore americana”, explica Constanza.  O projeto, financiado com verba pública não vai cobrar royalties para a adoção da castanheira transgênica, que poderá ser plantada, quando aprovada, em terrenos públicos.

No vídeo abaixo, o diretor do Conselho de Biotecnologia Florestal, o Ph.D. em biologia William A. Powell, conta a história da busca pela preservação da castanheira norte-americana.

 

O programa de melhoramento genético convencional também busca uma árvore resistente ao fungo que causa a doença. Pesquisadores estão cruzando a castanheira-americana com a sua “parente” chinesa, naturalmente resistente. O objetivo é obter plantas que tenham, entre os 50% de características herdadas da espécie asiática, a resistência. Uma vez que essa primeira etapa for bem-sucedida, essa árvore híbrida seria retrocruzada com a planta “mãe” americana, na tentativa de recuperar as características da castanheira-americana, porém, sem perder a resistência. Por meio desse método, ainda que se consiga obter uma árvore resistente, outras características indesejadas da castanheira chinesa podem ser “importadas” para a americana.

 

infografico-castanheira-01-01

 

Fonte: Redação CIB