A ciência brasileira já tem mais motivo para se orgulhar. O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) anunciou o desenvolvimento de uma laranja transgênica resistente a duas doenças: o amarelinho e o cancro cítrico. O amarelinho gera frutos pequenos e de amadurecimento precoce. A doença foi identificada aqui em 1987, no Triângulo Mineiro e em São Paulo. Os impactos do cancro, por sua vez, estão relacionados à desfolha de plantas, à presença de lesões em frutos e à queda prematura de frutos.

Causadas pelas bactérias Xylella fastidiosa e Xanthomonas citri, respectivamente, essas doenças são antigas e recorrentes nos pomares. Levam à perda de produtividade e, eventualmente, à morte da planta. A pesquisa, que já dura sete anos, foi publicada neste mês pela revista Molecular Plant-Microbe Interactions, da Associação Americana de Fitopatologia.

As cientistas do IAC Raquel Caserta e Alessandra Alves de Souza utilizaram um gene da própria Xylella para obter a resistência. Ao inseri-lo na laranjeira, ela passa a produzir uma molécula que interfere no sistema de comunicação das bactérias, fazendo com que se movimentem menos e, por consequência, colonizem menos a planta. O resultado são árvores mais até 60% mais resistentes à doença. Para surpresa das pesquisadoras, o mesmo gene da Xylella mostrou sinais importantes de retardamento da proliferação bacteriana também para o cancro, ampliando mais seu potencial de uso.

As mudas modificadas ainda estão em estufas, sob ambiente controlado e em vasos. O próximo passo será levá-las para o campo, onde frutificarão e gerarão os resultados científicos necessários antes da comercialização. Para tanto, o IAC vai protocolar ainda este ano o pedido de Liberação Planejada em Meio Ambiente, na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

 

Fonte: Molecular Plant-Microbe Interactions, novembro de 2017.