Feito poderá ajudar a melhorar a qualidade do algodão chinês e livrar o país da importação de fibras

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências Agrárias (CAAS, na sigla em inglês) desenvolveram um algodão geneticamente modificado (GM), que apresenta melhor qualidade de fibras e cápsulas maiores. O presidente da CAAS e vice-ministro da agricultura da China, Dr. Li Jiayang, ressaltou a importância da nova variedade. “Historicamente, pragas e fibras de baixa qualidade têm sido obstáculos para o crescimento da indústria algodoeira na China”, disse.

Nos anos 90, cientistas chineses desenvolveram o primeiro a algodão transgênico do mundo. As primeiras modificações genéticas, também chamadas de primeira geração de organismos GM, são marcadas pela inserção de características agronômicas nas plantas, a exemplo de resistência a insetos e bactérias. O desenvolvimento deste algodão, com melhor fibra e cápsula maior, marca a segunda geração de transgênicos, que se caracteriza pelo incremento da qualidade do organismo modificado.

Fonte: Academia Chinesa de Ciências Agrárias – 22 de março de 2012