aprovação

/Marcador:aprovação

EUA aprovam três novas variedades de batatas geneticamente modificadas

Plantas modificadas possuem genes da variedade argentina

16/03/2017|Categorias: Notícias|Marcadores: , , |

Além dos pareceres técnicos, que outras ações são coordenadas pela CTNBio?

A CTNBio é responsável por avaliar tecnicamente todas as atividades que utilizam engenharia genética no Brasil. Além de emitir pareceres técnicos, a comissão estabelece normas de monitoramento pós-comercial para os OGM e seus membros prestam apoio técnico-consultivo e de assessoramento ao Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS).

21/10/2016|Marcadores: , , |

O que estabelece a Lei de Biossegurança?

A Lei 11.105/05 estabelece medidas de controle que vão desde a criação de produtos até seu monitoramento no mercado. Entre elas, está a exigência de que toda instituição de pesquisa tenha Comissão Interna de Biossegurança (CIBio) e Certificado de Qualidade em Biossegurança (CQB), além de que se analise cada pedido de pesquisa e liberação comercial.

21/10/2016|Marcadores: , , |

Como têm evoluído a aprovação e a comercialização dos transgênicos no mundo?

Mais de dez culturas alimentares e de fibras transgênicas foram aprovadas e comercializadas no mundo entre 1996 e 2014. Há desde commodities (soja, milho e algodão) até frutas e legumes (papaia, berinjela e batata). O uso de OGM reduz perdas nas lavouras, aumenta a produção de alimentos e permite que os benefícios sejam repassados ao consumidor.

21/10/2016|Marcadores: , , |

Quais são as variedades transgênicas de plantas já aprovadas no Brasil?

Até maio de 2016, estavam aprovadas no país variedades transgênicas de soja, milho, algodão, feijão e eucalipto. Além de plantas*, o governo já autorizou o uso de componentes geneticamente modificados em vacinas, microrganismos (leveduras e microalgas) e no mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika vírus e febre chikungunya.

21/10/2016|Marcadores: , , |

Biotecnologia: ciências em colaboração

Em artigo, cientistas afirmam que, em áreas que estão na fronteira do conhecimento como a biotecnologia, a parceria entre os setores público e privado é fundamental.

31/03/2016|Marcadores: , , |