Algodão-P-300x200Produtores do Tocantins estão autorizados a cultivar algodão transgênico, segundo consta da Portaria nº 30 do Ministério da Agricultura, publicada em 15 de janeiro. A portaria retira o estado da Zona de Exclusão Algodoeira. A liberação tem como base parecer técnico da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), instância colegiada responsável pela biossegurança de organismos geneticamente modificados (OGM) no Brasil, subsidiada por estudos da Embrapa e avaliações independentes. Segundo o parecer, desde a instituição da Zona de Exclusão, em 2005, nunca foi observado fluxo gênico (cruzamento) entre o algodão nativo ou domesticado e as variedades convencionais já plantadas no Tocantins.

Segundo o documento, a produção comercial de algodão GM não representa risco para outras variedades da planta. No caso do Tocantins, o Gossypium barbadense L. é a espécie de algodão mais comum. Originária do Peru, chegou ao Brasil por meio dos povos pré-colombianos. Foi utilizada na produção de tecelagens artesanais pelos índios brasileiros e adotada pelos portugueses, posteriormente, para o mesmo fim. Atualmente essa variedade não é encontrada em ambientes naturais no Tocantins, sendo mantida basicamente como erva de quintal.

O parecer da Comissão mantém ainda as Zonas de Exclusão Algodoeira nos demais estados da Região Norte, no norte do Mato Grosso, no Pantanal e em áreas do semiárido nordestino, instituídas em 2005.

Incentivo à produção – Com a liberação do plantio de algodão transgênico no Tocantins, que tem custo de produção até 20% menor em relação ao algodão convencional, produtores do estado já preveem expansão da cotonicultura.

Estimativa da Secretaria de Agricultura do Tocantins (SEAGRO) prevê aumento da área plantada da cultivar dos atuais 6 mil para 40 mil hectares já na safra 2014/15.

“Se ocorrer no Tocantins o mesmo que aconteceu na Bahia e no Mato Grosso, o algodão transgênico deve se tornar uma alternativa para a segunda safra, podendo ocupar até 10% da área atual de soja”, afirmou Jaime Café, ex-secretário de agricultura do estado, por ocasião da publicação do parecer da CTNBio, no fim do ano passado.

Atualmente o Tocantins produz 18,9 mil toneladas de algodão. Na safra 2013/14, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a produção atinja 22,7 mil toneladas. Essa estimativa, no entanto, foi divulgada antes da liberação do plantio de algodão transgênico no estado.

Fonte: Redação CIB