Os pesquisadores se referem a ela pelo nome científico Xerophyta viscosa, mas você, se já ouviu falar desse vegetal, deve conhecê-lo pelo emblemático termo “planta da ressurreição”. A denominação curiosa se deve a uma capacidade surpreendente dessa espécie: sobreviver a longos períodos sem água. Para descobrir as origens genéticas dessa admirável habilidade, um time que reúne cientistas da África do Sul, dos Estados Unidos e da Austrália, liderados por estudiosos da Universidade Wageningen (nos Países Baixos), sequenciou o genoma desse vegetal que pode ser uma das chaves para o desenvolvimento de culturas resistentes à seca.

Em estudo publicado na Nature Plants, o time de pesquisadores revela ter sequenciado o DNA da espécie. Isso permitiu a identificação de genes da Xerophyta viscosa responsáveis por sua alta tolerância às variações climáticas. “Em um futuro próximo, culturas que podem sobreviver à seca extrema terão grande importância por conta das mudanças climáticas advindas do aquecimento global e do crescimento da população mundial, demandando um aumento significativo na produção de alimentos”, comentou o líder da pesquisa, Henk Hilhorst.

Além de sequenciar o genoma da espécie, os pesquisadores estudaram as mudanças nos padrões de expressão de genes durante a desidratação, a fim de encontrar genes que permitem ao vegetal sobreviver em condições de escassez hídrica. O objetivo é entender os mecanismos moleculares e genéticos de sua alta resistência e tentar introduzi-los em plantas que são importantes fontes de alimentos, como milho, trigo e batata. Hilhorst explica que as plantas da ressurreição podem servir como um modelo ideal para o desenvolvimento de culturas com maior tolerância à seca.

 

Fontes: Wageningen University & Research e Revista Nature Plants, Abril de 2017.