Pesquisadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, modificaram o agrião para que produza substâncias químicas saudáveis, as chamadas health-promoting chemicals, que são mais comuns no ovo e no peixe. As substâncias químicas em questão são os ácidos de gordura polissaturada (PUFAs), chamados Ômega-3 e Ômega-6. Os dois tipos de molécula ajudam a regular a pressão sanguínea, a modificar resposta do sistema imunológico e ajuda na sinalização das células. O Ômega-3 também auxilia no desenvolvimento do cérebro e na proteção contra ataques cardíacos e artrites. A mesma equipe criou uma variedade de agrião adicionando três genes da alga e do cogumelo que produzem a PUFAs naturalmente.
Fonte: Nature Biotechnology