Segundo os produtores franceses, a França está arriscando seu lugar entre os principais países produtores de alimentos ao rejeitar os cultivos de alimentos transgênicos. O grupo Orama, que concentra os produtores franceses de grão e azeites, se uniu aos produtores de sementes e a vários políticos para se oporem aos que lutam contra o uso destes cultivos enquanto outros países produtores de alimentos os adotam.

O chamado é parte do debate aberto convocado pelo governo sobre o futuro da política ambiental na França, durante o qual o futuro dos cultivos transgênicos no país foi motivo de acaloradas discussões. A França e outros países europeus fizeram oposição aos transgênicos, enquanto Estados Unidos e outros grandes produtores de alimentos, como Canadá, Argentina e Brasil, os adotaram.

O Presidente da Orama, Philippe Pinta, afirmou que o principal medo no grupo é que a França continue rejeitando os transgênicos fazendo com que eles passem a depender da tecnologia de outros países. Para ele, esta atitude desmotiva a pesquisa científica e condena o futuro. Hoje, existem 102 milhões de hectares plantados com cultivos transgênicos no mundo.

O Ministro francês do Meio Ambiente, Jean-Louis Borloo, afirmou no mês passado que o governo continuará permitindo a pesquisa cientifica com cultivos transgênicos.

Até hoje, a França só plantou um tipo de cultivo transgênico, o milho Bt, em uma pequena área de 22.000 hectares. Os produtores ainda destacaram a contradição que existe em proibir a pesquisa e cultivo e ao mesmo tempo permitir a importação e consumo de derivados de cultivos transgênicos.

“Acabarão rindo de nós, que comemos o que proibimos que nossos produtores cultivem” enfatizou Christian Pees, presidente do grupo francês Euralis de sementes.

Fonte: Agbios – 4 de outubro de 2007