Quando estiverem disponíveis no mercado, será possível distinguir apenas pelo gosto uma folha de alface GM e uma convencional em um sanduíche?

Não há nenhuma diferença no sabor ou na crocância entre a alface biofortificada com cálcio e a alface convencional. A constatação é de um estudo da Universidade Estadual do Kansas sobre “Análise sensorial da alface biofortificada com cálcio”. A análise sensorial é um teste no qual os alimentos são avaliados “às cegas” por voluntários selecionados, buscando analisar as características de um produto. Esse tipo de técnica permite determinar a eficácia de alimentos biofortificados e é um elemento importante para a aceitação pública dos alimentos geneticamente modificados.

A equipe de pesquisa, liderada por Sunghun Park, da Universidade do Kansas, demonstrou que a alface continha de 25% a 32% mais cálcio. Estas linhagens de alface biofortificada foram fertilizadas e demonstraram um crescimento robusto em casa de vegetação.

Mais informações sobre esta pesquisa podem ser conferidas em http://www3.interscience.wiley.com /journal/121451954/ abstract

O pesquisador Sunghun Park também pode ser contatado pelo e-mail shpark@ksu.edu.

FONTE: ISAAA – 24 de outubro de 2008