Planta transgênica produz partícula viral que pode ser usada no diagnóstico da doença

Uma pesquisa em parceria entre a Universidade de Brasília (UnB), a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen) e a Fiocruz pretende utilizar plantas transgênicas de alface para diagnosticar o vírus da dengue.

O processo de transformação das plantas está sendo conduzido pela Embrapa, sob a supervisão do pesquisador Francisco Aragão e consiste na introdução de uma parte do gene do vírus da dengue no DNA do cloroplasto de alfaces. Após quatro meses, a alface transgênica produz uma partícula viral defeituosa que será aproveitada como reagente a ser misturado ao sangue coletado. Conforme a reação, o medicamento indicará se o paciente está com os anticorpos do vírus da dengue.

A ideia é produzir um kit de diagnóstico mais econômico e eficiente, capaz de agilizar a detecção da doença pela rede pública de saúde. Os kits de diagnóstico à base de plantas custam, em média, um décimo do valor dos convencionais.

A pesquisa está em fase de validação. O antígeno está sendo testado com o sangue de pessoas que tiveram a doença, que estão registradas no banco de dados da Fiocruz. A expectativa da Embrapa, entretanto, é que a validação demore em torno de dois anos, já que é preciso um aproveitamento de cerca de 95% para que o produto seja liberado para comercialização em grande escala.

Fonte: EMBRAPA – Outubro de 2011