Agricultores africanos estão prontos para experimentar o aumento da produtividade, proporcionado por variedades geneticamente modificadas (GM), já constatado na China e na Índia.

O governo de Burkina Faso autorizou o plantio de 15 mil hectares de algodão transgênico em 2008/2009 para avaliar os impactos na produtividade, na qualidade e no meio ambiente. Trata-se do primeiro país da África ocidental a liberar a variedade.

Um estudo experimental, conduzido pelo Instituto de Economia Rural (IER), indicou que o uso do algodão Bt em Burkina Faso pode levar a ganhos de produtividade da ordem de 30%, enquanto reduzem o uso de defensivos em até 60% em algumas situações.

De acordo com o International Cotton Advisory Council, se os resultados comerciais confirmarem os do estudo experimental, o uso do algodão GM se expandirá rapidamente em Burkina Faso na safra seguinte.

O país é considerado o maior produtor de algodão do oeste da África nos últimos anos.

Fonte: FarmOnline – 30 de julho de 2008