Sete de cada dez agricultores sul-africanos cultivam variedades de algodão GM e são responsáveis pela produção de 25.130 toneladas na safra de 2001/2002. Os outros produtores ainda lidam com o convencional e usam pesticidas e fertilizantes químicos.

Um agricultor da região Norte de Pretória, Willem van der Walt, é um grande defensor do algodão GM: “É uma tecnologia essencial para nós, porque nossos custos diminuíram em 40%”. O fato de não haver necessidade de aragem permite maior retenção de água no solo. Além disso, menos pesticidas são usados e os custos com manutenção de máquinas são reduzidos. Ele garante que o menor uso de pesticida tem contribuído e muito para desenvolver métodos que protejam o meio ambiente.

Clique aqui e confira a matéria completa, em inglês.