O Dr. Kilemi Mwiria, Ministro Assistente do Quênia acredita que a engenharia genética tem grande potencial para aumentar a produtividade da agricultura, silvicultura (espécies florestais) e pesca, e, conseqüentemente, a economia do Quênia. De acordo com o ministro, “já existem exemplos nos quais a engenharia genética está auxiliando a redução da transmissão de doenças em humanos e animais com novas vacinas.” E na alimentação há o exemplo do arroz que foi modificado geneticamente para ter maiores quantidades de caroteno (pró-vitamina A) e ferro e poderá melhorar a saúde de muitas comunidades de baixa renda. O Quênia precisa da biotecnologia para solucionar seus problemas ambientais e há demandas públicas ilimitadas por serviços e produtos da biotecnologia agrícola, observou.