No ano de 2004, a Argentina gerou 20% da produção total de organismos geneticamente modificados do mundo. O dado foi registrado em uma pesquisa da U.S.University of Minnesota, realizada em dezembro.

Durante o ano passado, o pais produziu US$ 8,9 bilhões (6,54 bilhões de euros), enquanto no mundo o total produzido chegou a US$ 44 bilhões (32, 4 bilhões de euros), segundo apurou a pesquisa. O levantamento registra ainda que a Argentina é não somente um dos líderes na aplicação da engenharia genética, mas também na pesquisa e no investimento produtos transgênicos, como soja, algodão, milho e outros.
Em 2004, o total de área de GM cultivada em cinco países no mundo chegou a 67,5 milhões de hectares. A Argentina contribuiu com 13,9 milhões de hectares, a maior da América do Sul e a segunda do mundo.
Na produção de soja, diz a pesquisa, houve uma redução de custos da ordem de US$ 35 por hectare. A redução se deve ao menor volume de aplicação de herbicidas, permitida pelas plantações GM.