O governo da região espanhola de Andaluzia precisa pôr um fim às restrições para o cultivo de algodão geneticamente modificado, de acordo com a Associação Espanhola de Jovens Agricultores (Asaja).

A alegação da entidade é que os agricultores locais vêm sofrendo com grandes perdas por ação de pragas. Segundo a associação, variedades de algodão GM têm capacidade maior de resistência e auxiliariam a reduzir as perdas que, nos últimos quatro anos, atingiram US$ 143 milhões. “O desenvolvimento da biotecnologia é a melhor alternativa para o combate às pragas e para desenvolver responsabilidade ambiental”, diz o comunicado da Asaja.

A associação cita o exemplo da região de Sevilha, onde uma variedade GM de algodão foi cultivada entre 1997 e 1999, “com grande sucesso”, e é hoje produzida em cerca de 7 milhões de hectares em outros países.

COPYRIGHT PJB Publications Ltd – September 2003