A variedade de canola GM, conhecida como T45, foi desenvolvida para ser tolerante ao herbicida glufosinato de amônio e para o cultivo em áreas de oleaginosas nos Estados Unidos. Sua aplicação abrange uso em produtos alimentícios e rações, incluindo importação e processamento, mas não inclui o cultivo.

O óleo da canola, também conhecida como colza, é um dos óleos comestíveis mais saudáveis em uma dieta, uma vez que tem um nível extremamente baixo de ácidos graxos saturados. Ele também tem muitos outros usos industriais e cosméticos.

O parecer favorável da Autoridade Européia de Segurança Alimentar (EFSA) no âmbito das utilizações pretendidas para a canola GM não significa que a variedade será automaticamente aprovada. Uma consulta de opiniões será aberta no próximo mês, e a palavra final sobre o assunto só poderá ser proferida pela Comissão Européia.

A canola T45 é geneticamente modificada para expressar uma enzima chamada fosfinotricina acetil-transferase (PAT), que torna a planta tolerante a herbicidas a base de glufosinato de amônio. A EFSA disse que a T45 apresenta composição e fenótipo (características visuais da planta) equivalentes à convencional, com exceção dos traços introduzidos. Conseqüentemente, afirmou ser “da opinião que não há necessidade de uma rotulagem específica”.

FONTE: EFSA says GM oilseed rape unlikely to cause harm. FoodNavigator, 11 de março de 2008. Link: http://www.foodnavigator.com/news/ng.asp?n=83879-efsa-gm-oilseed-rape