O Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) desenvolveu um bioinseticidade capaz de combater o mosquito da dengue, Aedes aegypti, sem agredir o meio ambiente. Em lugar da química, o produto utiliza, como princípio ativo, a bactéria Bacillus thuringiensis, que produz uma endotoxina letal ao ser ingerida pela larva do inseto. O bioinseticida deve chegar ao mercado ainda este ano.

Leia também a nota original.