A luta para acabar com a fome está sendo afetada por ambientalistas que insistem que grãos geneticamente modificados não podem ser usados na África, afirmou nesta quinta-feira Bill Gates, fundador da Microsoft e presidente da Fundação Bill e Melinda Gates, que promove o desenvolvimento científico no campo da saúde global.

Gates afirmou que grãos geneticamente modificados, fertilizantes e produtos químicos são ferramentas importantes – ainda que não as únicas ferramentas – para ajudar as pequenas fazendas africanas a ampliarem sua produção. “Este esforço global para ajudar pequenos fazendeiros é ameaçado por uma ideologia que ameaça dividir o movimento em dois”, apontou Gates em seu primeiro discurso sobre agricultura feito no fórum World Food Prize, em Des Moines, nos Estados Unidos.
“Algumas pessoas insistem numa visão ideal de meio ambiente”, afirmou Gates. “Eles tentaram restringir a disseminação da biotecnologia na África sub-saariana sem considerar o quanto ela pode reduzir da pobreza, ou o que os próprios fazendeiros querem”.

A Fundação Bill e Melinda Gates tem focado na ajuda aos pobres nos últimos anos, assim como em crescimento de pequenos fazendeiros e venda de mais grãos como uma forma de reduzir a fome e a pobreza. A instituição, que se comprometeu com US$1,4 bilhão para esforços com desenvolvimento agrícola, anunciou nove novas doações, num total de US$ 120 milhões, com o objetivo de expandir os lucros e a especialização dos fazendeiros em países em desenvolvimento.

Fonte: Reuters – 16 de outubro de 2009