Uma das características mais ansiosamente esperadas para os cultivos biotecnológicos da próxima geração é uma maior eficiência no uso do nitrogênio, o que pode ajudar a reduzir custos e proporcionar benefícios ambientais. Recentemente, cientistas anunciaram o desenvolvimento de uma variedade de canola Eficiente no Uso do Nitrogênio (EUN), que vem se mostrando promissora.

As experimentações de campo demonstraram que o canola EUN pode manter o rendimento normal com 50% menos fertilizante nitrogenado, ou aumentar o rendimento em 15% mantendo a quantidade de fertilizante nitrogenado normalmente utilizada.

Os cultivos convencionais conseguem absorver somente metade do nitrogênio que é aplicado na forma de fertilizante. A outra metade vai cair na atmosfera, lençóis freáticos e águas superficiais. Já no cultivo da canola EUN, que consegue absorver na totalidade o nitrogênio do fertilizante, seria necessário aplicar somente metade do que é normalmente aplicado na convencional, não havendo desperdício nem contaminação. Ou ainda, caso fosse mantida a aplicação na quantidade normalmente usada em cultivos de canola, o rendimento da produção da versão GM aumentaria 15%. Por permitir que o agricultor aumente o rendimento da colheita por unidade de fertilizante de nitrogênio usada, a tecnologia EUN gera a oportunidade de aumentar a rentabilidade e melhorar a qualidade ambiental.

Mais da metade de toda a canola que cresce nos Estados Unidos é geneticamente modificada de acordo com estimativas da indústria. A maior parte é plantada no estado da Dakota do Norte. O óleo de canola é reconhecido como um óleo saudável para a culinária e tem sofrido aumento de seu suprimento por estar sendo destinado também à produção de biodiesel.

FONTE: Este artigo foi submetido à ISB News Report por Tracy Sayler tendo sido originalmente retirado da Biosciences de Arcadia, 3 de abril de 2007