Duas pesquisas diferentes conseguiram transformar células da pele humana em células-tronco. É a primeira vez que essas células são obtidas sem a clonagem de embriões humanos – técnica já alcançada mas que esbarra em uma grande muralha ética e religiosa, pois exige a destruição de embriões. Agora, equipes de cientistas do Japão e dos EUA conseguiram “reprogramar” células da pele humana para que voltassem a seu estágio inicial, agindo como células-tronco. Até mesmo o governo norte-americano – que proibiu tais pesquisas nos EUA – parabenizou os cientistas pela descoberta. Ela pode representar um enorme salto para as pesquisas de terapias gênicas, que buscam trazer soluções para tratamentos de câncer, doenças cardíacas, mal de Alzheimer, doença de Parkinson, diabetes, entre outras tantas.

Fonte: Agencia FAPESP – 22 de novembro de 2007