As células-tronco são células indiferenciadas no nosso organismo. Ou seja, não possuem uma função definida. No entanto, ao se multiplicarem, são capazes de se transformar em células diferenciadas ou especializadas, como células musculares, células da pele, glóbulos vermelhos ou células cerebrais.

Ao mesmo tempo, elas possuem a capacidade de gerar outras células-tronco iguais a si. Isso se chama autorrenovação.

citação células-tronco

Células-tronco são mais importantes do que outros tipos de células por duas características que possuem: renovação e diferenciação. Sendo assim, são capazes de se renovar por meio da divisão celular. Além disso, elas podem ser induzidas a se diferenciar em células de tecido ou órgão com funções específicas.

Por que “células-tronco”?

As células-tronco são a origem de várias outras células. Da mesma forma, o tronco de uma árvore é origem de vários ramos. É por isso que recebem esse nome, porque vão originar outras células de diferentes tipos.

Uma célula da pele humana, por exemplo, só é capaz de ser uma célula da pele humana. Ela não pode mudar para se tornar outro tipo de célula. Uma célula-tronco humana, por outro lado, pode se tornar uma célula da pele, uma célula óssea ou qualquer outro tipo de célula humana. Em alguns órgãos, como o intestino e a medula óssea, esse tipo de célula se divide regularmente para reparar e substituir os tecidos desgastados, danificados ou doentes.

Onde são encontradas as células-tronco?

Existem três tipos básicos de células-tronco:

Fetais

São encontradas em seres humanos durante o estágio fetal de desenvolvimento e podem ser colhidas do cordão umbilical de um recém-nascido.

Embrionárias

São encontradas em embriões e geralmente são colhidas de embriões congelados.

Somáticas adultas

Existem em todo o corpo desde o início do seu desenvolvimento e são encontradas dentro de diferentes tipos de tecido.

Cientistas já encontraram células-tronco em tecidos como o cérebro, medula óssea, no sangue, nos vasos sanguíneos, nos músculos, na pele e também no fígado.

Importância das células-tronco

As células-tronco têm potencial de tratar uma enorme variedade de doenças e de condições que afetam milhões de pessoas em todo o mundo. Devido à capacidade de autorrenovação e diferenciação, são capazes de regenerar órgãos e tecidos lesionados, promovendo a recuperação dos mesmos. O procedimento no qual essas células são utilizadas chama-se terapia celular.


VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR

Doença celíaca: biotecnologia ajuda quem é sensível ao glúten


Pesquisadores médicos acreditam que a terapia com esse tipo de célula tem o potencial de mudar radicalmente o tratamento de doenças humanas. Várias terapias com células-tronco adultas já existem. Uma delas é o transplante de medula óssea ​​para tratar leucemia.

As células-tronco são o mais próximo que a ciência tem de uma fonte da juventude, o que ajuda a explicar a esperança – e a moda – em torno delas. A pesquisa também mantém a promessa de entender e, finalmente, tratar doenças como diabetes, doenças cardíacas e câncer.

Classificação das células-tronco

Dependendo do número de tipos de células às quais elas podem dar origem, podem existir quatro classificações:

Unipotentes

Possuem a capacidade de produzir apenas células de seu próprio tipo. Entretanto têm a propriedade de autorrenovação necessária para serem rotuladas como célula-tronco. Exemplos incluem células estaminais musculares (adultas).

Multipotentes

Possuem a capacidade de se diferenciar em uma família intimamente relacionada de células. Exemplos incluem células-tronco hematopoiéticas (adultas) que podem se tornar glóbulos vermelhos e brancos ou plaquetas.

Pluripotentes

Possuem a capacidade de se diferenciar em quase todos os tipos de células. Os exemplos incluem células-tronco embrionárias e células derivadas das camadas germinativas da pele que são formadas nos estágios iniciais da diferenciação de células-tronco embrionárias.

Totipotentes

Possuem a capacidade de se diferenciar em todos os tipos de células possíveis. Exemplos são o zigoto formado na fertilização do óvulo e as primeiras células que resultam da divisão do zigoto.