China e Brasil inauguraram, no último dia 24, a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) criada em 2004, como um primeiro passo no processo de fortalecimento da aliança estratégica bilateral.

Os dois governos se comprometeram a apoiar a criação de empresas mistas e a promover intercâmbios entre associações empresariais. Também visam a aumentar o comércio e o investimento, e a resolver de forma amistosa as tensões comerciais.

Brasil e China propuseram a rápida conclusão dos projetos em curso, que incluem siderurgia, alumínio, gás natural, uma central termelétrica, contêineres, petróleo e aviação regional. Também querem programar para este ano atividades no âmbito do etanol (álcool).

A China expressou também seu interesse em operações diretas no comércio de soja e outorgou ao Brasil permissão para exportar soja transgênica ao país durante cinco anos. Na área de ciência e tecnologia, Brasil e China identificaram como prioritárias as áreas de biotecnologia, biodiversidade, biocombustíveis, combustíveis sólidos fósseis, laboratórios e políticas de inovação.

No âmbito agrícola, o vice-presidente José Alencar propôs a realização de um seminário sobre oportunidades de investimento neste setor no Brasil. Ambos os países também concordaram em intensificar o intercâmbio de recursos genéticos e a cooperação em tecnologia agrobiológica, segurança de animais e plantas transgênicas.

Fonte: Agência EFE – 25/03/2006