Pela primeira vez o Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) participa do Show Rural Coopavel, maior feira de agronegócios do Sul do País, que termina sexta-feira, 9 de fevereiro, em Cascavel (PR). Além de divulgar materiais informativos sobre produtos geneticamente modificados, como o Guia do Milho, o CIB aproveitou a oportunidade para apresentar os dados preliminares de um estudo inédito que avalia os ganhos da biotecnologia agrícola e as perdas na economia brasileira causadas pela demora na aprovação de variedades transgênicas nos últimos anos. O relatório “Benefícios Econômicos da Biotecnologia no Brasil” foi elaborado pela consultoria em agronegócios Céleres.

Outra novidade que atraiu muito a atenção dos visitantes foi a presença de dois agricultores europeus – um da Espanha e outro da França – que cultivam milho geneticamente modificado. A convite do CIB, eles contaram suas experiências agronômicas e detalharam os benefícios econômicos e ambientais obtidos com este tipo de cultivo.

“Enquanto outros países já adotam cultivos com características agrícolas combinadas, ou seja, resistência a insetos e tolerância a herbicidas, que possibilitam o controle do mato nas plantações, o Brasil caminha a passos lentos e está perdendo espaço no agronegócio internacional”, avalia Alda Lerayer, Diretora-Executiva do CIB. “Precisamos reverter o atraso em relação ao mundo, pois a biotecnologia agrícola vem sendo aplicada com segurança e sucesso há mais de uma década em diversas nações”, diz.

O CIB no Show Rural teve ainda como convidados os pesquisadores José Maria da Silveira, do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e Luciana Di Ciero, da Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP); além do consultor Anderson Galvão, da Céleres.