Antecipando-se à próxima rodada de negociações do tratado internacional para regular a comercialização de organismos vivos modificados (OVMs), que acontece em março do ano que vem, em Curitiba (PR), o Conselho de Informações em Biotecnologia (CIB) realizou, na manhã do dia 11 de novembro, o Workshop “Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança”. Trata-se do 4º workshop da entidade para profissionais da imprensa, sobre diversos temas relacionados à biotecnologia.

O evento, ocorrido no auditório da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), em Curitiba, contou com palestras de especialistas, a exemplo do pesquisador do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais, Rodrigo Carvalho Abreu Lima (“O que é o Protocolo de Cartagena?”) e do coordenador de biossegurança do Ministério da Agricultura, Marcus Vinicius Segurado Coelho (“A posição do Brasil sobre o Protocolo de Cartatgena”). A porta-voz do CIB, Alda Lerayer, também esteve entre os palestrantes e tratou do tema “Detecção e rastreabilidade de OGMs”.

Sobre o Protocolo de Cartagena

O mundo já cultiva 80 milhões de hectares de organismos geneticamente modificados. Cerca de 6% desse total está em território brasileiro, um dos países signatários do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança – tratado internacional que deverá influir no comércio exterior de commodities destinadas à alimentação animal e humana. Entre outros aspectos, o documento deve estabelecer uma forma de identificação desses organismos; cuidar da análise de risco; tratar da capacitação dos países para lidar com o tema; e formar um banco de dados com informações que poderão ser acessadas por qualquer país signatário, dentre eles, o Brasil. A última rodada de negociações aconteceu em Montreal, Canadá. A próxima reunião dos representantes de mais de cem países será realizada em março de 2006, em Curitiba (PR).