Na opinião dos cientistas, “a nova ciência é imprescindível para a sustentabilidade e competitividade do agronegócio brasileiro e da agricultura familiar”. Eles destacam a capacitação da classe científica brasileira para o desenvolvimento de produtos e para a avaliação da segurança alimentar e ambiental desses organismos geneticamente modificados (OGMs).

Clique aqui para ler a carta na íntegra.