Por meio da introdução de um gene do milho no capim, cientistas criaram uma planta que pode produzir biocombustível

Pesquisadores da Universidade de Berkeley, nos EUA, modificaram geneticamente um tipo de capim para que ele tenha rápido crescimento e produza mais amido, um produto que pode ser eventualmente processado para produzir biocombustível.

Por meio da introdução de um gene do milho (congrass 1) no capim, os cientistas criaram uma planta que rende mais do que o dobro da quantidade de amido produzido por variedades não modificadas. Essas características, além do fato de o novo capim conter menos lignina (polímero orgânico que fortalece a parede celular), fazem com que ele seja comercialmente interessante para a produção de energia. 

Geroge Chuck, geneticista do centro de pesquisa que desenvolveu a planta GM, afirma que eles buscam uma alternativa ao milho para a obtenção de biocombustível. “Estamos desenvolvendo muitas respostas à questão colocada pela crise de energia e o capim transgênico é certamente uma parte da solução.”

Fonte: Universidade de Berkeley – Outubro de 2011