Pesquisadores do Centro de Pesquisa de Citros da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, estudam alternativas de frear uma das mais graves doenças da citricultura norte-americana, já considerada endêmica: o cancro cítrico. Desde 1995, quando a doença foi detectada pela primeira vez nos campos do Estado, cerca de 12,6 milhões de plantas foram destruídas.

Uma das tentativas é o desenvolvimento de árvores de laranjas Hamlin geneticamente modificadas que carregam o gene Xa21, do arroz, resistente a outra doença bacteriana similar. A expectativa é a de que os testes estejam concluídos em dez anos.

Fonte: CheckBiotech.org