Uma parceria entre a australiana Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO) e cientistas japoneses resultou no isolamento de um gene de trigo que protege suas raízes do alumínio, permitindo que o metal seja convertido para uma forma não-tóxica às plantas.
A acidez afeta mais de 40% da terra arável do mundo, limitando o plantio por inibir o crescimento das raízes das plantas mais sensíveis. Para testar a tolerância ao alumínio, os cientistas utilizaram a engenharia genética para introduzir o gene de trigo na cevada. O resultado é que a planta mostrou alto nível de tolerância ao alumínio, tanto no cultivo hidropônico quanto em solos ácidos.