Comunicado do National Biosafety Committee, em Nairobi, Quênia, afasta receios e atesta a segurança dos alimentos geneticamente modificados para consumo humano. Também anuncia que em cinco anos os agricultores locais terão milho GM à disposição para cultivo, acrescentando que testes seguros estão sendo feitos.
O chairman do comitê, J.K. Ng’eno, disse que a resistência a alimentos GM é fruto de rumores e má informação. Falando num workshop sobre biossegurança, ele disse que a utilização de produtos GM pode resultar em 30% de aumento na colheita porque são, ao mesmo tempo, resistentes a pestes e à seca.