São Paulo, 25 de março de 2005,

O Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), que há quase três anos trabalha no Brasil com a missão de difundir informações técnico-científicas sobre essa ciência, não poderia deixar de manifestar sua satisfação diante da sanção presidencial da Lei de Biossegurança, que, conforme divulgado pela imprensa, ocorreu ontem, exatos 22 dias depois que a Câmara Federal aprovou esse texto.

Essa sanção é um passo importante para a definição de pelo menos duas questões que os brasileiros discutem há bastante tempo: a produção e a comercialização de organismos geneticamente modificados e a pesquisa com células-tronco embrionárias com finalidades terapêuticas.

Com a lei, ganha a sociedade brasileira como um todo e, em particular, o mundo científico nacional, além dos produtores rurais, que durante muitos anos aguardaram essa legalização.

O consumidor, por sua vez, recebe de forma definitiva o direito de optar pela compra de transgênicos. Já as empresas, a partir de agora, não terão mais receio de promover investimentos nos mais diferentes setores da biotecnologia no Brasil, o que certamente trará reflexos positivos no nível de empregos e na competitividade da agricultura nacional.

Com isso, o Brasil poderá ocupar ainda mais uma posição de destaque nas pesquisas ligadas à biotecnologia em suas diferentes áreas, particularmente na medicina, beneficiando os estudos com células-tronco embrionárias, e no agronegócio, com influência direta na produção de alimentos mais seguros, em maior quantidade e até mais nutritivos.

O CIB, a seu turno, continuará apostando na manutenção de uma comunicação transparente sobre os rumos dessa ciência, seus benefícios e suas implicações nacionais e internacionais. Por isso, prosseguiremos com a missão de oferecer subsídios à população, sempre em nome de uma discussão de alto nível, baseada em dados técnicos e científicos que são divulgados por profissionais ligados a entidades e empresas de credibilidade indiscutível.