Um pesquisador da Universidade de Missouri-Columbia disse que um estudo sobre a regulação da expressão de genes no milho ajudará na compreensão de como o DNA de humanos e animais é armazenado e o que pode acontecer em termos de doenças quando alguma coisa não funciona bem no processo. Karen Cone, professora associada de ciências biológicas, usará US$ 6.6 milhões recebidos da Fundação Nacional de Ciências para estudar as funções de 150 a 200 genes do genoma do milho, em colaboração com pesquisadores de outras cinco universidades. “Se forem descobertos os controles da expressão de genes, então seremos capazes de prever como, quando e onde os genes serão expressos no desenvolvimento de uma planta”, disse Cone. Segundo a pesquisadora, também será possível auxiliar os melhoristas a tirar vantagens do arranjo de genes e de suas atividades. O que for obtido no projeto com o milho poderá ser usado para pesquisas com animais e humanos. Cone disse que os resultados poderão, eventualmente, ter impactos sobre o estudo de doenças humanas, cujas origens estiverem relacionadas com defeitos no arranjo de genes.