A conclusão dos agricultores da Espanha é de que o cultivo comercial do Milho Bt não traz nenhum problema para a cadeia alimentar.

 

Um novo estudo da consultoria britânica Brookes West, apresentado hoje na Espanha e amanhã em Bruxelas, Bélgica, reportou que pequenos fazendeiros no Nordeste da Espanha estão conseguindo produzir mais, com melhor qualidade e aumentar suas rendas com o cultivo do milho geneticamente modificado (Milho Bt). Esse milho protege as lavouras contra ataques da broca européia do Colmo, que pode provocar perdas de 15% ou mais na produção.

Atualmente, a Espanha é o único país na União Européia onde as lavouras de OGMs são cultivadas comercialmente e que desfruta dos  benefícios do Milho Bt.

 

Muitos fazendeiros espanhóis não utilizam nenhuma forma de combate à praga, principalmente porque os problemas causados pelas larvas estão escondidos. Além disso, grandes infestações não são previsíveis e o trabalho de checar os campos, diversas vezes, a cada verão demanda tempo e mão-de-obra especializada.  Há ainda o alto custo e a dificuldade de estabelecer o momento correto para a aplicação de inseticidas contra a praga. É por isso que muitos fazendeiros espanhóis chegaram à conclusão que o milho geneticamente modificado resistente a insetos é a melhor opção para a produção desse cultivo onde a Broca do Colmo é comum.

 

Na média, os fazendeiros que usam o Milho BT têm registrado um ganho em suas rendas de 150 euros por hectare, comparado ao cultivo convencional de milho. É por isso que os agricultores não têm escondido o entusiasmo com o uso dessa tecnologia.

 

Graham Brookes, autor do relatório, afirmou: “Muitas pessoas não se deram conta que as lavouras GM estão sendo cultivadas com sucesso na Europa. Neste relatório do Nordeste da Espanha, registramos que mais de 20.000 hectares de Milho Bt estão sendo cultivados todos os anos desde 1998”. Isto representa mais de 4% do total da área plantada com milho na Espanha, e existe a estimativa de que cresceria para 36% se a tecnologia do Bt estivesse disponível livremente nos principais híbridos comerciais de milho.   

 

Outro ponto positivo destacado pelos fazendeiros no relatório é o fato de que os agricultores locais não têm tido problema na venda de suas lavouras, por meio dos canais regulares da indústria de alimentos para animais. Isto porque, com menores danos de insetos, acabam sendo registrados níveis mais baixos de micotoxinas (toxina produzida por certos fungos).

 

Leia abaixo a tradução do sumário do relatório apresentado hoje em Bruxelas:

 

 

Sumário do Relatório

 

O impacto do uso em escala comercial do Milho Bt na Espanha

 

O milho geneticamente modificado tem sido cultivado com sucesso em uma base comercial na Espanha por vários anos. Um estudo das experiências dos fazendeiros no cultivo do milho Bt na região de Huesca foi recentemente publicado pela Brookes West – uma consultoria britânica.

 

Abaixo seguem alguns pontos de conclusão desse relatório:

 

·         A Espanha é um país importante no cultivo de milho, contando com aproximadamente 11% da área de lavoura total da Europa.

·         Na safra de 2001/2002, 20.000 – 25.000 hectares de milho GM resistente a insetos (Milho Bt) foram cultivados. Isto representa 4-5% do total da lavoura de milho na Espanha. O crescimento nesta escala tomou lugar desde 1998, mas uma maior expansão está restrita por um acordo voluntário com a fornecedora de sementes (Syngenta).

·         Não há nenhuma barreira para o sucesso desta tecnologia: na Espanha, o Milho Bt tem sido cultivado em propriedades de apenas 50 hectares em média.

·         O Milho Bt cultivado na Espanha é vendido através dos canais usuais para uso na alimentação animal. A cadeia de suprimentos não vê necessidade de segregação, e aplica preços normais de commodity. E mais, a qualidade do grão é percebida como sendo maior devido ao menor nível de micotoxinas, resultado indireto da proteção contra insetos.

·         Se futuramente a tecnologia Bt estiver disponível em todos os híbridos líderes de mercado e acabarem as restrições voluntárias dos fornecedores de sementes, a estimativa é de que os cultivos de GM representem 36% do total da produção de milho na Espanha, em torno de 173.000 hectares.

·         Nesta escala de uso, uma estimativa conservadora em média de melhoramento da produção (variando de 1.8 a 2.5%) sugere um incremento na lavoura de 88.000 para 125.000 toneladas. Isto daria aos fazendeiros um ganho extra de 11 a 15 milhões de euros na renda sobre os preços atuais.

·         A praga principal que é controlada nesta lavoura é a Broca Européia do Colmo. Por causa da dificuldade em estabelecer o momento adequado, o milho Bt é mais efetivo e reduz perdas na produção, quando comparado às lavouras convencionais que utilizam inseticidas. Para a região de Huesca, nas áreas de maior pressão de pragas, o uso do milho Bt resulta, em média, no aumento de 15 % da produtividade em áreas nas quais não houve uso prévio de inseticidas, e de 10% nas áreas nas quais as lavouras convencionais foram tratadas com inseticidas. 

·         Existe um ganho de 18 a 19 euros por hectare para a semeadura de GM. Isto é mais do que se espera pelo aumento da produção e pela economia com a redução dos custos de aplicação de inseticida.

·         Na região de Huesca, o crescimento médio elevou perto de 150 euros por hectare de milho, representando um aumento de 12,9% na margem bruta para o fazendeiro.

·         Para os fazendeiros que normalmente aplicam inseticidas para controlar as pragas, o crescimento da produção é de apenas 1,5 %. Mesmo em áreas de menor índice de infestação de insetos, isto pode representar uma proporção significativa de lavouras.

·         Para as áreas de menor índice de infestação, o uso do Milho Bt atua como uma forma de segurança, oferecendo crescimento, na certeza de constantes ganhos em produtividade. Por esta razão, alguns fazendeiros escolhem o milho Bt mesmo que o impacto na lucratividade seja neutra quando comparada à média de vários anos.

 

Tecnologia Bt

 

Bt é um termo usado para indicar proteínas extraídas de uma bactéria (chamada Bacillus thuringiensis) que está presente naturalmente no solo em todo o mundo. Esta bactéria já tem sido utilizada na preparação de inseticidas biológicos. A principal característica desta bactéria está na produção de cristais com proteínas que matam seletivamente alguns grupos de insetos. Estes cristais de proteínas (Cry proteínas) são tóxicos para determinados grupos de insetos e precisam ser ingeridos pelos mesmos para que haja o efeito inseticida. Após a ingestão, enzimas digestivas dos próprios insetos ativam a toxina em forma de proteína. A proteína Cry se liga a receptores específicos das células da parede do intestino dos insetos, provocando o rompimento das mesmas. Os insetos param de se alimentar em menos de 2 horas, e se ingeriram quantidade suficiente de toxina, morrem em dois ou três dias.

 

A biotecnologia tem possibilitado o uso das proteínas Bt mais efetivamente para controlar insetos que são prejudiciais para as lavouras.

Os códigos genéticos destas proteínas são atualmente introduzidos nas plantas, possibilitando a produção da proteína constantemente protegendo-as, dessa forma, contra ataques de pragas.

 

 

Benefícios:

 

  • Controla as pragas de forma mais efetiva que os inseticidas convencionais;
  • Reduz a utilização de inseticidas convencionais ( a tecnologia Bt reduz a necessidade de recursos para a aplicação de inseticidas convencionais);
  • Reduz utilização de energia e matéria prima na fabricação de inseticidas;
  • Permite o controle de insetos de forma mais saudável para o meio-ambiente.

 

Benefícios para o meio ambiente:

 

·         A proteína Bt apresenta especificidade para determinados grupos de insetos (no caso referido no presente documento, para o grupo das borboletas e mariposas.

Os agentes convencionais permitem controlar diversas espécies de pragas, mas são também, de alguma forma, tóxicos para espécies que não são alvos de controle.

 

  • A utilização de tecnologias mais seletivas para controlar insetos, como lavouras de Bt, tem vantagens para o meio ambiente. E mais, a redução no uso de inseticidas sintéticos convencionais lidera a redução do consumo de energia e de matéria prima necessárias para a fabricação destes, embalagem, transporte e armazenagem.

 

Benefícios para os agricultores:

 

  • As lavouras que contêm proteína Bt oferecem aos agricultores uma tecnologia mais saudável para o meio ambiente para controlar as pragas;
  • A utilização das lavouras Bt evita a necessidade de manusear inseticidas químicos. Estes são seguros quando manuseados apropriadamente, mas podem resultar em sérios problemas se usados incorretamente.
  • Existem dados toxicológicos suficientes de lavouras de algodão Bt que mostram que há probabilidade de risco zero associado com o uso do Cry1Ac delta-endotoxina de Bacillus thuringiensis  ou com materiais genéticos necessários para produção destas plantas Bt.
  • Esta é uma solução realista para os agricultores quando se fala de controle de insetos.

 

Situação atual:

  • Inseticidas Bt já têm sido utilizados por mais de 60 anos, e são permitidos para utilização na chamada agricultura orgânica;
  • Culturas com a tecnologia Bt começaram a serem comercializadas em 1996, considerando algodão resistente a insetos;
  • A tecnologia Bt está disponível para lavouras de algodão, milho e batata.