O crescimento da área plantada com cultivos geneticamente modificados beneficia milhões de pessoas pobres na África, defendeu o cientista Daniel Mataruka, da Fundação Agrotecnológica Africana.

No artigo “O papel dos cultivos geneticamente modificados na África”, Mataruka diz que a posição de alguns países do continente contra os transgênicos é reflexo de vínculos coloniais com a Europa. Segundo o texto, a biotecnologia agrícola pode resolver os problemas da agricultura causados pelas mudanças climáticas, como as secas prolongadas e as inundações sem precedentes, assim como os problemas causados por pragas que afetam as culturas.

Para ler o artigo na íntegra, em inglês, clique aqui: http://www.whybiotech.com/?p=915#more-915

Fonte: CBI – 08 de julho de 2009