A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou hoje, em reunião plenária, a liberação comercial de uma variedade de algodão Bt, resistente a insetos, conhecida como Widestrike. A tecnologia usa dois eventos de proteção contra insetos, que controlam importantes pragas do algodoeiro, especialmente a lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda), a lagarta-da-maçã (Heliothis virescens) e o curuquerê-do-algodão (Alabama argillacea).

Após avaliar pareceres de membros da comissão e de especialistas externos, a comissão julgou que, dentro das legislações de biossegurança, a variedade é segura para a saúde humana e animal e para o meio ambiente.

A variedade de algodão liberada hoje pela CTNBio já é plantada nos Estados Unidos desde 2004, onde seus derivados são igualmente aprovados para uso na alimentação humana e animal. Outros países, a exemplo do Canadá e do Japão, também já concederam aprovação para uso na alimentação humana e animal, enquanto que México, Coréia do Sul e Austrália têm sinal verde para inclusão da variedade na alimentação humana.

Esse é o quarto evento de algodão transgênico liberado no Brasil, e o segundo a trazer a característica da resistência a insetos.