Preocupados com a perda de poder competitivo no mercado mundial, países da Ásia estão focando investimentos na pesquisa e desenvolvimento de produtos derivados da engenharia genética. Os três mais populosos países da região, China, Índia e Indonésia, por exemplo, estão prontos para plantar imensas áreas com algodão geneticamente modificado. Outros países, como o Japão, Tailândia, Filipinas e Malásia, vão investir milhões de dólares para financiar pesquisas públicas e privadas em plantações GM.

Na Malásia está sendo criado um centro chamado “biovalley”, fora de Kuala Lumpur. Na Indonésia, um parque industrial denominado “bioisland”. E há vários investidores direcionando pesados recursos para desenvolver esses tipos de produtos no Japão e na Coréia do Sul.

Como há informações de que existem 145 milhões de acres (58 milhões hectares) prontos para serem cultivados com plantações geneticamente modificadas no mundo todo, particularmente nas Américas do Norte e Sul, as iniciativas asiáticas podem pavimentar o caminho para bioengenheiros dominarem a produção de comida no mundo.

“Este é um significante passo na aceitação de plantações geneticamente modificadas”, disse o professor de Agribusiness da Universidade do Missouri, Nicholas Kalaitzandonakes. “A Ásia não é apenas uma região que abriga a maior parte da população do mundo, mas também uma região onde cresce a maior parte da produção agrícola mundial”, ressalta.

Confira, na íntegra, a matéria em inglês.