A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia vem investindo em pesquisas para desenvolver uma variedade de feijão GM resistente a pragas.

Depois de anos de estudos, a Unidade conseguiu chegar a uma metodologia mais eficiente de transformação genética dessa leguminosa, já que as existentes até então eram pouco efetivas para o feijão de corda, com uma freqüência de sucesso de uma em cada 2.000 plantas.

A metodologia, baseada na introdução direta de genes no meristema apical de embriões maduros de feijão de corda, levou a uma frequência de transformação muito mais eficiente, chegando a uma em cada 200 plantas e até uma em 100. E o melhor é que essa metodologia permite a introdução de genes em praticamente todas as variedades de feijão de corda e, certamente, será muito útil para o melhoramento genético dessa cultura.

Com a nova metodologia, a Embrapa pretende assegurar à população brasileira o consumo de variedades mais saudáveis do feijão de corda com o mesmo sabor e menos aplicações de defensivos químicos.

O feijão macassar, caupi ou de corda é uma das principais leguminosas cultivadas no Norte e Nordeste do Brasil, correspondendo a 95% da área plantada com a cultura. O feijão macassar tem sido comercializado também no Centro-Oeste, e passou a ser plantado no Mato Grosso, ocupando 50 mil hectares. O ataque de pragas, contudo, é um problema que ainda ameaça os produtores, sendo as doenças causadas por agentes patogênicos, como insetos, e por micro-organismos, como fungos, vírus e bactérias. A qualidade e a quantidade dos grãos produzidos são afetadas pelo ataque das pragas, que resulta no pior fator limitante para a produção.

Fonte: Embrapa 23 de fevereiro de 2009