A Universidade de Queensland (Austrália) propôs ao órgão regulador de tecnologia genética do governo uma liberação limitada e controlada de cana geneticamente modificada (GM). A empresa que participa dos experimentos pretende introduzir quatro características modificadas: arquitetura dos brotos (número de brotos, tamanho do caule e altura), eficiência no uso da água, eficiência no uso nitrogênio e marcador de expressão gênica (resistência aos antibióticos, por exemplo).

Os experimentos propostos serão distribuídos em 15 localidades de Queensland entre setembro de 2008 e dezembro de 2014, e contarão com testes para avaliar as propriedades agronômicas da cana GM em condições de campo e análise da produção e qualidade do açúcar. As linhagens mais promissoras serão selecionadas para propagação e para eventual desenvolvimento comercial, estando sujeitas a novas aprovações. Os resultados da experimentação serão não apenas a base para futuro desenvolvimento comercial como também para uso em programas de melhoramento.

A cana GM, neste caso, não será consumida pelo homem e nem por animais. Atualmente, uma Avaliação de Risco e Plano de Manejo de Riscos estão sendo preparados e serão liberados para consulta pública em breve.

FONTE: Checkbiotech – 31 de março de 2008