Pesquisadores têm rastreado metabolomas (produtos resultantes do metabolismo das plantas) de diferentes variedades de ervilhas, buscando moléculas que possam ajudar no desenvolvimento da resistência ao estresse hídrico e às alterações climáticas.Dr. Claire Domoney, do Centro John Innes Centre, usou a técnica de espectrometria RMN – que se baseia no estudo das estruturas biológicas e suas interações moleculares – para produzir um perfil dos níveis de todas as pequenas moléculas ou metabólitos diferentes em folhas de ervilha. Este perfil, conhecido como metaboloma, foi então comparado com o das plantas submetidas a estresse hídrico controlado.

O estudo, publicado na edição de dezembro da revista Metabolomics, mostrou vários metabólitos-chaves em plantas que aumentam seus níveis sob estresse hídrico, alguns dos quais não tinham sido identificados previamente como envolvidos. Alguns deles ainda podem estar envolvidos no gosto e cheiro das ervilhas, assim como na sua capacidade de fixar nitrogênio do solo.
Fonte: JIC – Setembro de 2008