Os agricultores mais pobres da África e de áreas com baixo potencial produtivo podem ter grandes benefícios plantando milho Bt. Essa é uma das conclusões do estudo “Avaliando os benefícios e riscos de cultivos GM: evidências do milho resistente a insetos para o projeto África”, conduzido por H. de Groote e colaboradores. Os resultados mostraram que objeções ao milho Bt não podem ser sustentadas, incluindo eventuais faltas de adequações da tecnologia para as necessidades dos pequenos agricultores. O projeto foi iniciado em 1999 e, após cinco anos de pesquisa em sua primeira fase, mostrou que a maioria das preocupações em relação ao milho Bt podem ser respondidas. De acordo com os autores, a demanda pela variedade é alta considerando ser o milho o principal cultivo do Quênia, cuja produção permanece baixa. O estudo também mostrou que, na maioria das áreas nas quais o milho Bt poderá ser cultivado, existem plantas que podem funcionar como alimento alternativo e refúgio para pragas, o que é importante para prevenir o surgimento de insetos resistentes às proteínas Bt.

Fontes: http://www.isb.vt.edu/news/ 2005/artspdf/ feb0503.pdf e http://www.isb.vt.edu/ news/2005/ news05.feb.html#feb0503