Por Marcelo Gravina

marcelo-gravina_320x200A complexidade e a diversidade dos sistemas de produção agrícola fazem com que a adoção de qualquer nova tecnologia seja acompanhada da preocupação com os impactos ambientais. No caso da biotecnologia, uma intensa discussão sobre potenciais riscos tem ofuscado as importantes contribuições das plantas transgênicas para a melhoria da qualidade ambiental. No entanto, o histórico da adoção de culturas geneticamente modificadas (GM) em mais de 125 milhões de hectares e em 25 países indica esta como uma ferramenta estratégica na preservação do meio ambiente, em razão de permitir racionalizar o uso dos recursos naturais.

Após 14 anos de utilização dos cultivos transgênicos no mundo, os resultados indicam que os benefícios ambientais são mais evidentes que os improváveis riscos. O impacto positivo envolve desde o aprimoramento das práticas de cultivo, a redução da quantidade e melhoria na qualidade dos produtos agrícolas, o aumento da renda dos produtores e consequente economia dos países que adotaram a biotecnologia.

Os dados mais impressionantes vêm do estudo de uma consultoria inglesa (PG Economics) que avaliou que, em 2007, os 111 milhões de hectares de cultivos transgênicos no mundo resultaram no abatimento da emissão de 14,2 bilhões de quilos de CO2, equivalente à remoção de 6,3 milhões de carros de circulação durante um ano.

O combustível economizado em razão do menor número de aplicações – em relação aos cultivos convencionais – e os sistemas de preparo de solo reduzido ou plantio direto, resultaram na economia permanente de emissões de CO2 e na conservação do solo, ganhos com impacto positivo para todos os países.

Evolução das práticas agrícolas

A agricultura, a partir dos cultivos transgênicos, sofre uma transformação que modifica sobremaneira as técnicas e práticas de cultivo, semelhante à promovida pela Revolução Verde na década de 60. O manejo integrado da agricultura moderna contribui, não apenas para aumentar a produção de alimentos em menor espaço, como controla melhor as pragas, plantas daninhas e doenças das culturas. Assim, os impactos no meio ambiente são minimizados significativamente.

Entre as principais vantagens, a maior produtividade dos cultivos GM é um ganho contundente, já que reduz a necessidade de ampliação da área cultivada, diminuindo a redução de perdas na lavoura, e permitindo, desse modo, a manutenção de áreas destinadas à preservação ambiental. Este benefício é ainda notável nas lavouras transgênicas, pois, entre os impactos observados, ocorre o consumo mais racional de defensivos agrícolas, a redução do uso de água e combustíveis, a conservação do solo e a sensível redução na emissão de gases de efeito estufa.

No caso das plantas transgênicas tolerantes a herbicidas há ainda a diminuição das perdas por meio de um controle mais eficiente de plantas invasoras. Como o uso de herbicidas é menor e são empregados princípios ativos menos tóxicos, também são minimizados os efeitos dos defensivos na saúde dos produtores. Por exemplo, o glifosato – usado na soja transgênica tolerante ao herbicida – é de três a 17 vezes menos tóxico que os herbicidas que ele substitui, além de permanecer por menos tempo no meio ambiente.

Os herbicidas comumente destinados às plantas transgênicas tolerantes, como o glifosato e o glufosinato de amônio, são de utilização foliar, de pós-emergência, o que geralmente permite o uso de modo mais específico, alterando o manejo em relação aos métodos convencionais. Os produtos podem ser aplicados depois que as ervas daninhas emergirem, permitindo que áreas com altas infestações de insetos-pragas sejam identificadas e tratadas, enquanto as áreas com baixas infestações possam ser tratadas com menos produto. Além disso, o uso de um único herbicida de espectro amplo pode reduzir a necessidade de combinações que requerem aplicações múltiplas.

Geralmente aplicados em menor quantidade em comparação aos herbicidas de pré­emergência, tais produtos apresentam menor absorção por colóides do solo. Eles também se movem menos por meio da água subterrânea, resultando em economia do produto químico por lixiviação (dissolução) e escorrimento superficial.

Economia de água e energia

Outra contribuição da biotecnologia na agricultura, e já utilizada no Brasil em culturas milho e algodão, são as plantas GM resistentes a insetos. Tais variedades permitem reduzir o volume de ingredientes ativos no solo, o número de defensivos químicos utilizados e, principalmente, a quantidade de aplicações de agrodefensivos na cultura. Entre outros fatores, o conjunto dessas ações favorece a preservação dos inimigos naturais dos insetos-pragas e a manutenção da biodiversidade local.

Em consequência disso, o impacto ambiental é altamente positivo não apenas na economia de energia como também na de água, vital para a manutenção dos ciclos biológicos, geológicos e químicos que mantêm em equilíbrio os ecossistemas. Isso se deve pela redução das pulverizações, da utilização de equipamentos, da diminuição do descarte de embalagens e do tempo gasto com monitoramento da presença de insetos.

Para se ter uma ideia, a economia de água nos pulverizadores nas plantações de algodão transgênico no Brasil pode variar 300 a 700 litros/ha a 1.000 litros/ha, dependendo da variedade utilizada. Se considerarmos que os algodoeiros transgênicos em poucos anos têm potencial para atingir 80% da área cultivada no Brasil, a perspectiva de economia de água poderá chegar a 560.000 metros cúbicos (m3) por ano.

Impactos positivos no solo

Também o solo pode ser beneficiado com os cultivos transgênicos. Os sistemas de cultivo mínimo e de plantio direto aumentaram significativamente a utilização de culturas transgênicas tolerantes a herbicidas. Isso porque a tecnologia elevou a habilidade dos agricultores no controle das plantas daninhas, reduzindo a dependência do preparo do solo.

O excesso de preparo do solo é conhecido por causar alterações na estrutura, aumento da erosão e redução da umidade. As perdas da camada superficial causam danos ambientais permanentes. De outro lado, o manejo conservacionista libera resíduos de plantas na superfície, prevenindo a erosão, reduzindo a evaporação e elevando a absorção da umidade. Uma biota rica do solo pode aumentar a reciclagem de nutrientes e também auxiliar o combate de pragas e doenças dos cultivos. Mais um impacto positivo da redução do preparo do solo é o decréscimo na emissão de gases de efeito estufa, devido principalmente à diminuição do uso de combustível fóssil, neste caso, óleo diesel.

Certamente, todo esse resumo é apenas o início. O potencial para aplicação da biotecnologia na agricultura é promissor, e os benefícios incontestáveis ao meio ambiente e a toda a sociedade nos anos de cultivo dos transgênicos pelo mundo estimulam ainda mais a pesquisa de técnicas e produtos que contribuam com esse cenário.

Marcelo Gravina é Engenheiro agrônomo, Ph.D. em Fitopatologia e Biologia Molecular, professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e conselheiro do CIB.