Eucaliptos geneticamente modificados estão crescendo no solo arenoso de Baldwin County, nos Estados Unidos. A experiência é parte de um teste que visa tornar as exportações australianas conhecidas como “alimento de Coala” em combustível para os motoristas americanos.

Melhoradas em laboratórios da Nova Zelândia para combater as lagartas americanas e tolerar temperaturas mais baixas das encontradas em seu ambiente nativo, as árvores estão sendo criadas em uma plantação secreta  há dois anos.
De acordo com o porta-voz da companhia, que desenvolveu esta variedade do vegetal, o eucalipto é melhor do que o milho do meio-oeste americano para produzir o etanol, pois, segundo ele, as árvores exigem apenas uma fração de energia para se desenvolver.

O Congresso Americano está desenvolvendo um pacote legislativo de promoção do etanol, cuja meta é produzir 36 bilhões de galões de biocombustível/ano até 2022.

Atualmente o milho controla a produção de etanol nos EUA, mas esta é uma safra que exige um trabalho tão intensivo que os cientistas afirmam requerer quase tanta energia para se desenvolver quanto o que fornecem depois na forma de etanol.

Em total contraste, as árvores de eucalipto produziriam oito galões de etanol para cada galão de gasolina ou diesel utilizado no processo de lavrar e processar.


Fonte: www.nwrage.org/index.php?name=News&file=article&sid=1784