Eucalipto-C-300x200Eucaliptos geneticamente modificados (GM) já estão sendo cultivados em plantios experimentais no Brasil. Ao todo, já são nove hectares plantados com variedades transgênicas dessa árvore. O vegetal foi desenvolvido por meio da inserção do gene de outra espécie, a Arabidopsis thaliana, uma planta-modelo muito usada em experimentos genéticos. Este gene codifica uma das enzimas responsáveis pela formação de celulose. No caso do eucalipto, a inserção resulta em 20% a mais de volume de madeira e de até 40% mais na produtividade de bioenergia.

A introdução de um novo gene também pode reduzir o tempo entre o plantio e a colheita. As variedades convencionais de eucalipto costumam ser colhidas aos sete anos de idade, mas a árvore transgênica pode atingir o mesmo desempenho ainda aos cinco anos e meio.

Além disso, a manipulação genética de árvores pode também ajudar na preservação das matas nativas de todo o mundo. O consumo de madeira já atinge cerca de 3,4 bilhões de metros cúbicos por ano, e a expectativa é de que esse número aumente 20% até 2020. Para preservar a cobertura vegetal natural, a obtenção de madeira a partir de florestas plantadas é uma alternativa sustentável.

Fonte: Revista Pesquisa FAPESP – Fevereiro de 2013