A aceitação dos alimentos geneticamente modificados (GM) na Europa continua em alta. Na França, o Ministério da Agricultura autorizou, no início de junho, 17 novos testes de campo com milho e tabaco transgênicos. Deste total, duas variedades são destinadas à indústria farmacêutica, três são resistentes a herbicidas, dez são resistentes a insetos, uma tem resistência à seca e outra tem o mecanismo de florescimento alterado. A medida do governo francês foi tomada depois que a Comissão de Engenharia Biomolecular do país garantiu a segurança ambiental dos testes.

Na Holanda, o Ministério da Agricultura, Natureza e Qualidade Alimentar anunciou o desenvolvimento de uma variedade de batata GM que resiste ao fungo Phytophthora infestans. De acordo com o órgão do governo, se os testes apresentarem resultados positivos, os produtores rurais holandeses poderão economizar cerca de 150 milhões de euros anualmente. Isso porque a batata transgênica deverá requerer apenas a metade do volume de fungicidas aplicados atualmente (80% dos fungicidas usados na Holanda destinam-se às lavouras de batata). O projeto levará dez anos para estar concluído.