O que é melhoramento genético?

/O que é melhoramento genético?

Farmacêutico-bioquímico e pós-doutor em Análise de Proteínas. Atua como professor titular da Univ. Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Melhoramento genético é o processo de selecionar ou modificar intencionalmente o material genético de um ser vivo. O objetivo é desenvolver indivíduos com características desejáveis. Por exemplo, variedades de frutas sem sementes, como a melancia, são resultados de melhoramento. As técnicas utilizadas antes do desenvolvimento da engenharia genética são chamadas de clássicas e constituem o melhoramento genético convencional.


SAIBA MAIS

Cientistas usam o melhoramento genético e a biotecnologia para salvar o cacau.


Essas técnicas são os alicerces do desenvolvimento da civilização baseada na agricultura e na domesticação animal. Foram identificadas no século 19 por Gregor Mendel, considerado o pai da genética. Ele separou ervilhas por suas características e, por meio do cruzamento entre diferentes plantas, viu que era possível gerar novas ervilhas. As técnicas do melhoramento genético convencional também estiveram no centro da Revolução Verde nas décadas de 1960 e 1970. Nessa época, houve a criação e a disseminação de novas sementes e práticas agrícolas, o que levou a um grande aumento na produção mundial de alimentos. Até esse período, o melhoramento genético de sementes era feito por seleção ou pelo simples cruzamento de espécies iguais ou similares, um processo lento e de difícil controle.

O melhoramento genético de plantas e a chegada da biotecnologia

Com o avanço da engenharia genética e a chegada da biotecnologia, muita coisa mudou no melhoramento genético. O desenvolvimento de novas cultivares com diferentes atributos genéticos ficou mais preciso, eficiente e, eventualmente, mais rápido. O pesquisador passou a poder interferir de forma controlada e intencional no DNA (ácido desoxirribonucleico), uma molécula em forma de dupla hélice que é a base da hereditariedade.

Em vez de fazer cruzamentos e esperar que a planta se desenvolva para saber se as características desejadas foram passadas, é possível fazer essa seleção isolando partes do DNA que corresponde às essas características. Assim, pode-se incluir essas partes no DNA de uma planta que ainda vai se desenvolver, garantindo que ela cresça com essas condições já estabelecidas.

A partir daí, o cientista consegue trocar genes e alcançar a meta esperada para aquela planta. Isso tudo para que ela não perca as características que se pretende conservar. Assim, produzem-se organismos geneticamente modificados (OGM) com o objetivo de enfrentar diversos desafios, como a demanda por alimentos, a desnutrição humana, as mudanças ambientais e a sustentabilidade.

São várias as ferramentas de biotecnologia que vem sendo utilizadas para a produção de OGM. Dentre elas, podemos citar a transformação genética, silenciamento gênico (ou interferência por RNA) e edição genética por meio de CRISPR-Cas9. Com os avanços da engenharia genética, o número de técnicas vem aumentando cada vez mais. Tudo isso nos auxilia a solucionar os problemas emergentes devido às mudanças climáticas e demandas globais.


Você sabia que os tomates suculentos que conhecemos são resultado de milhares de anos de melhoramento genético? Entenda aqui.


Melhoramento genético

 

 

Por: Homero Dewes em 21-10-2016 | Atualizado em 26-09-2018 | Categorias: Conceitos

Farmacêutico-bioquímico e pós-doutor em Análise de Proteínas. Atua como professor titular da Univ. Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).