Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte estão trabalhando para demonstrar que árvores podem ser usadas para degradar combustíveis que poluem o solo e as águas subterrâneas.

Por meio da fitorremediação, plantas e árvores podem remover poluentes e transformá-los em compostos menos tóxicos. Dra. Elizabeth Nichols e sua equipe usaram esse processo para limpar uma área contaminada na cidade de Elizabeth, na Carolina do Norte.

A fitorremediação utiliza plantas para absorver metais pesados do solo através de suas raízes. O processo é uma alternativa atraente em relação aos métodos de limpeza comum, que são muito caros e despendem muita energia.

Na área mencionada, diferentes árvores de crescimento rápido, como choupos e salgueiros, foram plantadas para evitar que os resíduos de combustível sejam incorporados ao Rio Pasquotank. Eles plantaram cerca de 3 mil árvores na base da Guarda Costeira, onde foram estocados combustíveis de 1942 a 1991.

“Nós sabíamos que o crescimento da árvore seria difícil em razão da quantidade de combustível na água e no solo, mas estávamos confiantes de que as árvores seriam capazes de evitar que a poluição chegue ao rio”, disse Nichols. “As árvores precisam de água para a fotossíntese e a absorvem do solo; assim, este processo pode reduzir a quantidade de água poluída que atinge o rio”.

As árvores também podem aumentar a quantidade e a diversidade de microrganismos do solo na zona radicular (zona da raiz da planta). Alguns desses microrganismos degradam o combustível ainda no solo. “Pode ser um processo lento, mas nós mostramos que, ao longo do tempo, as árvores irão remover todo o combustível. Nossos resultados preliminares são muito encorajadores, a quantidade de combustível no solo foi reduzida muito mais rápido do que o previsto. Mas ainda temos muito a aprender “, disse Nichols.

Fonte: Univ. Carolina do Norte – 17 de setembro de 2009