Gato selvagemGatos são mesmo fascinantes. O encanto que eles exercem sobre os seres humanos fez com que nós os domesticássemos – ou quase – e também criássemos muitas lendas para explicar seu comportamento misterioso. É o caso, por exemplo, do dito popular segundo o qual os gatos têm sete vidas. Felinos dos Estados Unidos e da Inglaterra são ainda mais sortudos: em inglês, dizem que eles têm nove vidas. A realidade, porém, mostra que esses animais também sofrem com problemas genéticos que podem colocar a sobrevivência da espécie em risco, em especial, do gato selvagem.

Essa é uma das razões que levaram um time de pesquisadores norte-americanos a usar os métodos mais avançados de genômica para vasculhar o DNA de uma espécie selvagem de gatos em busca de variantes genéticas que pudessem ser responsáveis por algumas doenças raras. De acordo com a professora de medicina comparativa da Universidade do Missouri e integrante do projeto, Leslie Lyons, o objetivo do sequenciamento é encontrar mutações responsáveis pelo funcionamento anormal do organismo desses felinos e, então, facilitar o diagnóstico e o tratamento dos problemas.


VEJA TAMBÉM

DNA da onça revela origem das suas fascinantes características


No caso do estudo publicado em maio deste ano na revista científica Nature”, uma das espécies que devem se beneficiar de agora possuir seu DNA mapeado é o gato-bravo-de-patas-negras (gato selvagem). Graças à pesquisa, foi descoberto que os animais que herdam uma cópia mutante do gene IQCB1 do pai e da mãe desenvolvem uma atrofia progressiva da retina, doença que em último estágio leva à cegueira. Segundo a professora Leslie, com essa informação, além de poder oferecer um tratamento mais específico e eficaz, será possível controlar a disseminação do transtorno na população de animais em cativeiro, por meio de programas de reprodução assistida. Curiosamente, variações nesse mesmo gene são famosas por também causar perda de visão em humanos.

Saiba mais sobre o gato selvagem

O gato-bravo-de-patas-negras vive em toda a África Subsaariana, zona do continente africano abaixo do Deserto do Saara. Entretanto, devido à caça e à destruição de seu habitat natural, a espécie precisa ser protegida. A redução da população, aliada ao comportamento noturno desses animais, faz com hoje eles raramente sejam vistos na natureza.

 

Fonte: Nature, 29 de maio de 2017