Pesquisadores norte-americanos seqüenciaram o genoma do milho e afirmaram que a descoberta poderá ajudar os cientistas a melhorar vários tipos de grão e cereal. “Os cientistas agora conseguirão investigar com precisão e eficiência o genoma do milho para descobrir meios de melhorar a plantação e, por conseqüência, aumentar o rendimento das sementes e a resistência à seca e às doenças”, disse em nota Richard Wilson, da Universidade Washington, em St. Louis, cuja equipe liderou as pesquisas.

O milho é um dos cereais mais cultivados no mundo, juntamente com arroz e trigo. É usado na alimentação e produção de biocombustível. Os EUA são responsáveis por mais de 40% da produção mundial, com mais de 282 milhões de toneladas em 2005. Os trabalhos para seqüenciar todo o mapa genético do milho custaram US$ 29,5 milhões, financiados pela Fundação Nacional de Ciência, dos Departamentos de Agricultura e de Energia dos Estados Unidos.

As informações do seqüenciamento estão no GenBank, um banco de dados disponível gratuitamente na internet (http://maizesequence.org/). “O genoma ajudará a revelar a biologia básica do milho. Essas informações podem ser usadas para buscar genes que tornam o milho mais nutritivo ou mais eficiente para a produção de etanol, por exemplo”, disse Ralph Quatrano, diretor do departamento de biologia da universidade. Outro genoma vegetal já seqüenciado é o do arroz.

Fonte: O Estado de S. Paulo – SP 27/02/2008