Uma empresa da Nova Zelândia está desenvolvendo uma grama geneticamente modificada com potencial para reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa pelos animais que se alimentarem do pasto.

A ideia é criar uma grama com o dobro do teor de gordura, porque estudos mostraram que isso aumentará o ganho de peso dos animais. Assim, mais carne e leite será produzido pela mesma quantidade de animais, potencialmente reduzindo a emissão de gases metano e óxido nitroso.

O gerente de biotecnologia da AgResearch, Jim Suttie, diz que a aplicação não seria liberada pela Autoridade Ambiental de Gestão de Riscos até o próximo ano. Seria necessária grama suficiente nos prados para alimentar animais jovens, mas a localização e o tamanho dos campos experimentais não foram decididos. Quando isto acontecer, as autoridades e a comunidade serão consultadas sobre sua aplicação. Suttie diz que é muito cedo para dizer que diferença esta grama faria na

Se houver aprovação desta cultura, será necessário saber primeiro se os animais irão comer a grama, para então serem analisados seu crescimento e a emissão de gases por eles.
 
Fonte: NZ Herald – 6 de novembro de 2009