Uma equipe internacional e multidisciplinar identificou 23.300 genes feitos de 814 milhões de letras do DNA de ouriço-do-mar (Strongyocentrotus purpuratus), e verificaram que os seres humanos compartilham de 7.077 genes com esses ouriços. Isto faz da criatura uma espécie geneticamente mais próxima ao homem do que a mosca de fruta ou a minhoca, organismos modelo mais extensamente estudados. Os resultados do projeto financiado pela National Science Foundation Brown University National Institutes of Health foram publicados em seis artigos da Science.

Outras surpresas do projeto: os ouriços-do-mar têm o sistema imunológico mais sofisticado de todos os animais estudados até a data. Estes seres carregam os genes associados a muitas doenças humanas, tais como a distrofia muscular e a doença de Huntington. Os Ouriços-do-mar têm também os genes associados com o paladar, olfato, audição e equilíbrio.

Estes animais com ausência de olhos podem detectar a luz através de seus pés. Os cientistas encontraram genes associados com a visão; genes que são ativados na base do seus tubos – projeções nos escudos do animal que lhes ajudam a se mover e alimentarem-se. “Ninguém imaginava que os ouriços-do-mar possuíssem um gene tão robusto para se ajustar a percepção visual,” disse Gare Wessel, professor de biologia da Brown University e membro do Consórcio do Genoma Ouriço-do-Mar. Como parte do sequenciamento do projeto.

Wessel conduziu o grupo de cientistas que estudaram centenas dos milhares das letras do código genético, e identificaram os genes responsáveis pela reprodução do ouriço-do-mar. O Departamento de Biologia Molecular, Celular e Bioquímica da Universidade possui um dos laboratórios mais avançados de ouriço-do-mar, usando os animais para estudar a fertilização e o desenvolvimento nos seres humanos.

Fonte: Equipe Biotec AHG – Marcos Siqueira – 4/1/2007