A descoberta de 15 genes relacionados à longevidade poderá auxiliar na desaceleração do processo de envelhecimento e a tratar condições relacionadas à idade.
Os cientistas da Universidade de Washington e de outras instituições relataram na revista Genome Research que já identificaram 25 genes que influenciam a longevidade em dois organismos, em uma levedura e no verme nematóide C. elegans, comumente usados em estudos relacionados ao envelhecimento. O grande destaque é que ao menos 15 destes genes apresentam versões similares em seres humanos.
“Agora que nós sabemos a quantidade desses genes, temos potencial para aplicá-los em humanos”, acredita Dr. Brian Kennedy, um dos autores do trabalho. Para ele, o objetivo principal desse trabalho é poder atingir os alvos corretos no futuro, para melhorar não apenas a longevidade, mas também o período de vida sadio de uma pessoa para que ela não sofra de doenças da idade.
Muitos dos genes que os cientistas identificaram como envolvidos no envelhecimento estão conectados à maneira que o corpo responde à comida. Estudos anteriores evidenciaram que uma ingestão drasticamente restrita em calorias, uma metodologia conhecida por restrição de dieta, pode prolongar a longevidade e reduzir a incidência de doenças relacionadas à idade.
FONTE:http:// www.telegraph.co.uk/earth/ main.jhtml?view=DETAILS &grid=&xml= /earth/2008/03/12/sciage112.xml – 12 de março de 2008